expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sábado, 17 de dezembro de 2011

Lord Narasimha


Lord Narasimha é o quarto, dos dez, Avatar de Lord Vishnu, o seu nome mesmo traduzido á letra significa "O Homem Leão", segundo os escritos de Bhagavata Purana, numa época remota quando um demónio muito astucioso decidiu ir contra Brahma, sendo que este designou que tudo que era criado seria mortal, um dia teria que acabar por morrer. Mas este demónio, Hiranyakashipu, pediu ao Pai Divino que nunca fosse morto por qualquer criatura jamais criada, sem pai nem mãe, sem ter nascido de um ovo ou ventre, ou até mesmo gerado a partir de outra criatura viva, nem de dia nem de noite, nem em canto de lugar algum, nem na terra, na água ou no ar, por nenhum tipo de arma, que jamais qualquer tipo de metal lhe perfurasse a carne, que estivesse sempre imune a qualquer tipo de doença de microrganismos, protegido de qualquer catástrofe natural e que o seu corpo ou a sua mente jamais fossem causa da sua morte.
  O astucioso demónio teve o que pediu, viveu durante longos anos sobe a terra, que sofria sobe a sua tirania, pois jamais algum homem conseguiria destruí-lo, ele não era imortal, mas também não era mortal. Ele era um verdadeiro flagelo para a humanidade, indo em busca de prazeres mundanos, como o ouro, a luxúria de uma cama sempre farta de mulheres que pudesse violar, acabava por roubar todos que ele desejava, vivia o mundo sobe as suas exigências.
  Certo dia, seu filho, Prahlada, muito diferente do pai, quer em mente e coração, farto de ver toda a crueldade que este fazia a humanidade suplicou a Vishnu, a qual era extremo devoto, para ajudar a libertar a humanidade de seu pai, pois este era imortal. Lakshmi, o complemento de Vishnu, com o coração repleto de compaixão pede ao seu esposo divino para ir em seu auxílio, o grande Vishnu grato por ter aquele devoto, tão fiel a si, encarna-se numa entidade sem uma forma definida, metade homem, metade leão, e vai ao auxílio do seu devoto Prahlada.
  Nele vê um amor e compaixão pela humanidade intensa, pois é capaz de sujeitar o pai á justiça de Deus, que pode por si ser impiedosa para salvar todo o planeta, então jocosamente, Narasimha, aquele avatar de Vishnu, vai ao encontro de Hiranyakashipu, ele não fora criado por Brahma, tinha surgido entre o meio de um pilar de pedra, nunca tendo sido gerado por mãe, pai, ovo ou qualquer outra forma humana, nem era dia nem de noite, era crepúsculo, ele pegou no demónio e colocou-o sobe o joelho, logo ele não estava em lado algum, nem na terra, na água ou no ar, e esventrou-o com a unha, sendo que uma unha não é uma arma.
  Assim o demónio morreu de perfeita saúde, esventrado e acabou de cair na sua própria armadilha. Nem sempre somos mais inteligentes que a Divindade, existe sempre um ponto fraco em cada obstáculo, basta saber encontrá-lo.
  Esta história tem inúmeras lições que podemos tirar, e uma das mais valiosas é que Deus nunca abandona os seus discípulos, ele está sempre lá, Prahlada era tão devoto de Vishnu e sempre orou e se manteve fiel ao seu mestre, que ele não recusou ajudar um ser que sempre o venerou.
  Narasimha é o avatar que podemos recorrer para nos dar a força necessária para nos livrar de todo o mal, a inteligência e a justiça necessária para fazer os nossos caminhos nas nossas vidas na terra, e escolhi falar nele pois foi me revelado pelo Gurugi Swami Vishwananda que este era o meu Ishta Deva, e por mais curioso que pareça, sempre foi um dos avatares de Vishnu que "temia" mais de algum modo, agora sinto-me bastante confiante com a sua energia, muito intensa posso dizer e aconselho a se conectarem com ela.
  Segundo registos dévicos, Prahlada reencarnou no século 17 como Raghavendra Swami, um ser iluminado que veio para guiar mais pessoas a seguir a chama da devoção, a saber se ligar com Deus na unidade.


Jai Gurudev

Sem comentários:

Enviar um comentário